Eventos Extremos Silenciosos: Megaeventos esportivos e saúde pública.

  • Sergio Luiz Dias Portella Fiocruz
  • Wecisley Ribeiro Espirito Santo Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Resumo

Este é um ensaio comparativo entre dois gêneros de eventos distintos. De um lado, os desastres “ambientais” ou “climáticos” (mas, nem por isso, “naturais”), de outro, os megaeventos esportivos. Propõe-se, como operadora da comparação, a categoria “eventos extremos silenciosos”. Se os corolários ambientais de ambos nos permitem tratá-los como “eventos extremos”, no segundo caso eles manifestam-se silenciosamente. O método empregado foi o do cotejamento bibliográfico, que nos conduziu a alguns resultados: a saber, regularidades entre os impactos comunitários dos dois fenômenos. Isso nos autoriza a concluir que tais consequências extremas decorrem, sobretudo, do mesmo modelo de gestão adotado para o meio ambiente e para o esporte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sergio Luiz Dias Portella, Fiocruz

Doutorando do Programa de Doutoramento "Território, Riscos e Políticas Públicas, oferecido pelas Universidade de Coimbra, Universidade de Lisboa e Universidade de Aveiro, Portugal (conclusão: dezembro/2015). Mestre em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas/RJ. Atualmente é assessor da presidência da Fundação Oswaldo Cruz. Integrante do Grupo de Pesquisa do Centro de Estudos e Pesquisas de Desatres em Saúde (CEPEDES/FIOCRUZ). Integrante do grupo gestor da Rede Panamazonica de C&T&I em Saúde (OPAS, FIOCRUZ, UNAMAZ, OTCA). Secretario Executivo do Grupo de Trabalho da Fundação Oswaldo Cruz para os Jogos Olímpicos de 2016.
Wecisley Ribeiro Espirito Santo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Licenciado em Educação Física pela UFRRJ (2004), mestre (2009) e doutor (2013) em Antropologia Social pela UFRJ, professor adjunto da UERJ desde 2013.
Publicado
2016-06-16
Como Citar
Portella, S. L. D., & Espirito Santo, W. R. (2016). Eventos Extremos Silenciosos: Megaeventos esportivos e saúde pública. Ciência & Trópico, 40(1). Recuperado de https://fundaj.emnuvens.com.br/CIC/article/view/1578
Seção
ARTIGOS