BANCO DE DADOS SOBRE DESASTRES NATURAIS NO BRASIL: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O EM-DAT E O S2ID

Autores

  • Alex Santiago Nina Universidade Federal do Pará
  • Oriana Trindade de Almeida Universidade Federal do Pará
  • Ivonês Damasceno Lobo Faculdade Educacional da Lapa

DOI:

https://doi.org/10.33148/CES25954091V36n1(2021)1918

Palavras-chave:

banco de dados, desastres naturais, S2ID, EM-DAT.

Resumo

Nos últimos anos, os desastres naturais vêm se tornando mais intensos tanto no Brasil como no mundo. Neste contexto, destacam-se os bancos de dados como ferramentas fundamentais para redução dos danos e implementação da Gestão de Riscos Naturais. Os diversos bancos de dados, entretanto, utilizam diferentes critérios para contabilizar os desastres naturais, o que pode dificultar sua confiabilidade e uso operacional. Este trabalho tem como objetivo comparar os registros históricos de desastres naturais, ocorridos no Brasil, computados por dois importantes bancos de dados: o Emergency Disaster Database (EM-DAT) e o Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2ID). Os resultados mostraram que existem diferenças significativas entre eles, associadas aos problemas como: definição da área afetada, número de pessoas atingidas, superestimação e subestimação dos danos. Sugere-se a adoção dos registros oficiais e padronizados para melhoria da Gestão de Riscos Naturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Santiago Nina, Universidade Federal do Pará

Doutorando em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, Universidade Federal do Pará.

Oriana Trindade de Almeida, Universidade Federal do Pará

Doutora em  em Ciências Sócio Ambiental, University of London

Ivonês Damasceno Lobo, Faculdade Educacional da Lapa

Especialista em Direito Ambiental, Faculdade Educacional da Lapa

Referências

ACSELRAD, H. Vulnerabilidade ambiental, processos e relações. In: ENCONTRO NACIONAL DE PRODUTORES E USUÁRIO DE INFORMAÇÕES SOCIAIS, ECONÔMICAS E TERRITORIAIS, 2. 2006. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: FIBGE, 2006, p. 1-5.

AYSAN, Y.; LAVELL, A. Disaster risk governance during the HFA implementation period. The United Nations Office for Disaster Risk Reduction, Global Assessment Report on Disaster Risk Reduction, nov. 2014. 57p.

BELL, S.; MORSE, S. Sustainability Indicators: Measuring the immeasurable? 2ª ed. London: Sterling, VA. 2008. 251 p.

BENSON, C.; CLAY, E. Understanding the economic and financial impacts of natural disasters. Washington, D.C.: Disaster Risk Management Series, 2004. v.4, 134 p.

BRAGA, T.; OLIVEIRA, E.; GIVISIEZ, G. Avaliação de metodologias de mensuração de risco e vulnerabilidade social a desastres naturais associados à mudanças climáticas. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 15. 2006. Caxambú. Anais... Caxambú: ABEP, 2006: p. 1-17.

BRASIL. Manual de Desastres: Desastres Naturais. Brasília: Ministério da Integração Nacional. 2003. v.1, 174p.

BRASIL. Instrução Normativa do Ministério da Integração Nacional n° 2, de 20 de dezembro de 2016. Estabelece procedimentos e critérios para a decretação de situação de emergência ou estado de calamidade pública pelos Municípios, Estados e pelo Distrito Federal, e para o reconhecimento federal das situações de anormalidade decretas pelos entes federativos e dá outras providências. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF. 2016b.

BRASIL. SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL- SEPDEC. Sistema integrado de informações sobre desastres - S2ID. 2016a. Disponivel em: http://s2id.mi.gov.br/. Acesso em: 12 jun. 2016.

CASTRO, A. Manual de Planejamento em Defesa Civil. Brasília: Ministério da Integração Nacional. 1999.

CEPAL. Comissión Económica para América Latina y el Caribe. Manual para la evaluación del impacto socieconómico y ambiental de los Desastres. México: Comissión Económica para América Latina y el Caribe. 2003. 387 p.

CEPED. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES. Capacitação dos gestores de Defesa Civil para uso do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres – S2ID. Florianópolis: CEPED, 2012. 112p.

DONAHE, A. K.; JOYCE, P. G. A Framework for Analyzing Emergency Management with an Apllication to Federal Budgeting. Public Administration Review, v. 41, n. 6, nov-dez, p. 728-740, 2001.

EM-DAT. EMERGENCY DISASTER DATABASE. Country Profile. 2016. Disponível em: http://emdat.be/country_profile/index.html. Acesso em: 14 jun. 2016.

EM-DAT. EMERGENCY DISASTER DATABASE. Welcome to the EM-DAT website. 2017. Disponível em: http://www.emdat.be/. Acesso em: 11 ago. 2017.

GUJARATI, D.; PORTER, D. Econometria básica. 5ª ed. Porto Alegre: Mcgrau-Hill Companies, 2011. 924 p.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Séries Estatísticas. 2017. Disponível em: http://seriesestatisticas.ibge.gov.br. Acesso em 15 jan. 2017.

IPCC. INTERGOVERMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. Technical Summary. In: IPCC. Climate Change 2014: Mitigation of Climate Change. Working Group III contribution to the IPCC 5th Assessment Report. Cambridge: Cambridge University Press, 2014. p. 1-99.

KARIM, A.; NOY, I. Poverty and natural disasters: a qualitative survey of the empirical literature. The Singapure Economic Review, v. 61, n. 1, p. 1-36, 2016.

KLEIN, ¬¬N. The Shock doctrine: the rise of disaster capitalism. New York: Henry Holt and Company. 2007. 565p.

LALL, S.; DEICHAMANN, U. Densty and disasters: economics of urban hazard risk. The World Bank Research Observer, Washington, D.C. v. 37, n.1, p.74-105, jul. 2012.

LIMA, S. Tragédia de verão anunciada: a farra das enchentes e a indústria do estado de emergência. Blog SRZD – Meio Ambiente. 2007. Disponível em: http://www.sidneyrezende.com/noticia/@-2147. Acesso em out. 2019.

LIXIN, Y.; LINGLING, G.; DONG, Z.; JUNXUE, Z.; ZHANWU, G. An analysis on disaster management system in China. Natural Hazards, n. 60, p. 295-309, 2012.

LOMBORG, B. L’ecologiste sceptique: le véritable état de la planète. Paris: COLLECTION DOCUMENTS, 2004. 620 p.

MARCELINO, E.; NUNES, L.; KOBIYAMA, M. Banco de dados de desastres naturais: análise de dados globais e regionais. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 6, n. 19, p. 130-149, out. 2006

MELO, C.; SANTOS, F. As contribuições da psicologia nas emergências e desastres. Psicólogo informação, v. 15, n. 15, p. 169-181, 2011.

MERZ, B.; KREIBICH, H.; LALL, U. Multi-variate flood damage assessment: a tree-based data mining approach. Natural Hazards and Eath System Sciences, v.13, p.53-64. jan. 2013.

MEYER, V.; BECKER, N.; MARKANTONIS, V.; SCHWARZE, R.; BERGH, J.; BOUWER, L.; BUBECK, P.; CIAVOLA, P.; GENOVESE, E.; GREEN, C.; HALLEGATTE, S.; KREIBICH, H.; LEQUEUX, Q.; LOGAR, I.; PAPYRAKIS, E.; PFURTSCHELLER, C.; PUSSIN, J.; PRZYLUSKI, V.; THIEKEN, A.; VIAVATTENE, C. Review article: Assessing the costs of natural hazards – state of the art an knowledge gaps. Natural Hazards Earth System Science, n. 13, p. 1351-1373, 2013.

NGUYEN, Q. Do natural disasters open a window of opportunity for corruption? The Journal of Development Studies, v. 53, n. 1, p. 156-172, 2017.

NINA, A.; ALMEIDA, O. Sistemas de Informações sobre desastres naturais: uma análise histórica alternativa dos registros realizados no Brasil. In: THOMAS, S.; RIVERO, S.; ALMEIDA, O. Gestão ambiental e mudanças climáticas no delta amazônico: legislação municipal, recursos hídricos e desastres naturais. Belém: GAPTA/UFPA, 2019. p. 133-160.

NINA, A.S; SZLAFSZTEIN, C.F. Efeitos de desastres naturais ao desempenho orçamentário do estado do Pará. Novos Cadernos NAEA, v. 17, n. 2, p. 265-285, dez. 2014.

PBMC. PAINEL BRASILEIRO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Base científica das mudanças climáticas. Contribuição do Grupo de Trabalho 1 do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas ao Primeiro Relatório da Avaliação Nacional sobre Mudanças Climáticas. Rio de Janeiro: COPPE; Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2014, 464 p.

RENTSCHLER, J. Why resilience matters: the poverty impacts of disasters. Policy Research Working Paper, n. 6699, nov. 2013.

SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

SAWADA, Y.; TAKASAKI, Y. Natural disaster, poverty, and development: an introduction. World Development, v. 94, p. 2-15, 2017.

VENTURATO-LANDMAM, R.; VALENCIO, N. “A alagação ofende!”: considerações sociológicas acerca de um desastre silente no Alto Juruá, Acre, Brasil. Novos Cadernos NAEA, v. 17, n. 2, p. 239-264, dez. 2014.

WAMSLER, C.; BRINK, E.; RIVERA, C. Planning for Climate Change in Urban Areas: From Theory to Practice. Journal of Cleaner Production, v. 50, p. 68-81, 2013.

WIRTZ, A; FRON, W.; LÖW, P.; STEUER, M. The need for data: natural disasters and the challenges of database management. Natural Hazards, v. 70, p. 135-157, 2014.

WORLD BANK. Natural hazards, unnatural disasters: the economics of effective prevention. Washington, D.C: World Bank Clearance Center Incorporation, 2010. 254p.

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

Nina, A. S., Almeida, O. T. de, & Lobo, I. D. (2021). BANCO DE DADOS SOBRE DESASTRES NATURAIS NO BRASIL: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O EM-DAT E O S2ID. Cadernos De Estudos Sociais, 36(1). https://doi.org/10.33148/CES25954091V36n1(2021)1918

Edição

Seção

Artigos - Temas livres (CHAMADA REGULAR)