Educação e Sustentabilidade: um estudo sobre as representações sociais nos dizeres de assentados do MST, em Viamão-RS.

Publicado
2020-06-19
Palavras-chave: Representações Sociais, Educação e Sustentabilidade, MST

    Autores

  • Josiel da Rosa Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Miúcha Severo Gonçalves Unicnec

Resumo

Este trabalho busca captar como as práticas de sustentabilidade repercutem nas representações sociais dos assentados do Assentamento Filhos de Sepé, na cidade de Viamão-RS. A metodologia utilizada para a investigação fundou-se nos princípios da pesquisa etnográfica, através da observação e entrevistas semi-estruturada. O fluxo de dados, pautado nas representações sociais, nos estudos de Magnani (1997), indicou a conquista da terra, o trabalho como forma de vida sustentável e a educação em movimento, como as três categorias de análise de maior significação. Ficou evidenciado que as noções de sustentabilidade fundamentam-se na memória de lutas no espaço coletivo, desenhando o indivíduo forjando histórias e enunciando a trama para a conquista da terra. Nesse contexto, a educação fundamentada nos princípios desse processo histórico e com base nas vivências, de forma reflexiva e crítica, passa a ser essencial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTUNES, Ricardo. O privilegio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0 466_12_12_2012.html.

BONAMIGO, Carlos Antônio. O trabalho cooperativo como princípio educativo: A trajetória de uma Cooperativa de Produção Agropecuária do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Dissertação (Mestrado) – FACED, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

CALDART, Roseli Salete. A pedagogia do Movimento Sem Terra é mais que escola. Petrópolis: Vozes, 2000.

________. O MST e a formação dos sem terra: o movimento social como princípio educativo. Estudos Avançados, vol. 15, n43 São Paulo sept/2001. Disponível em: www.scielo.br/scielo.php?script=sci_Arttex&pid=s0103-0142001000300016

DIEL, R. Gerenciamento de Recursos Hídricos: um estudo de caso no assentamento Filhos de Sepé, Viamão (RS). Dissertação (Mestrado) – Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

FISCHER, Maria Clara Bueno; TIRIBA, Lia. Aprender e ensinar à autogestão: espaços/tempos do trabalho de produzir a vida associativamente. Perspectiva, Florianópolis, v. 31, n. 2, p. 527-551, maio/ago. 2013.

GADOTTI, Moacir. Educar para a sustentabilidade. Inclusão Social, Brasília, v. 3, n. 1, p. 75-78, out. 2007/mar. 2008.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos Sociais e Educação. – 5.ed. – São Paulo: Cortez, 2001.

LOUREIRO, C. F. B. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. São Paulo : Cortez, 2012.

_________. Teoria Social e Questão Ambiental: pressupostos para uma práxis crítica em educação ambiental. In: LOUREIRO, C. B. F; LAYRARGUES, P. P.; (Org.). Sociedade e meio ambiente: a educação ambiental em debate. 4ª Ed. São Paulo:Cortez, 2006. p. 13- 51.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Discurso e representação, ou de como os baloma de kirwina podem reencarnar-se nas atuais pesquisas. In: CARDOSO, Ruth. A Aventura Antropológica. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

MÉZÁROS, Istevám. O desafio e o fardo do tempo histórico. São Paulo: Boitempo, 2007.

MST. MST Lutas e Conquistas. Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra: São Paulo, 2010.

________. Escola Itinerante em acampamentos do MST. Estudos Avançados, vol. 15, n 42 São Paulo May/Aug 2001. Disponível em: www.scielo.br/scielo.php?pid= s0103-40142001000200011&script=svi arttext.

NODARI, Rubens Onofre; GUERRA, Miguel Pedro. A agroecologia: estratégias de pesquisa e valores. Estudos avançados 29 (83), 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v29n83/0103-4014-ea-29-83-00183.pdf.

OLIVEIRA, Izes Regina; MILIOLI, Geraldo. A urbanização e os desafios conceituais do ecossistema: uma contribuição à aplicabilidade do desenvolvimento sustentável para o município de Criciúma, Santa Catarina, Brasil. Territórios, n. 29, 2013.

RANIERI, Jesus. Alienação e estranhamento: a atualidade de Marx na crítica contemporânea do capital. Conferencia Internacional La Obra de Carlos Marx y los desafíos del Siglo XXI. 2014.

SEMA/RS. Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul. Disponível em: . Acesso em: 29 de Setembro de 2013.

SACHS, Ignacy: Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável. In: STROH, Paula Yone (Org.). Rio de Janeiro: Garamond, 2000.

SANTOS, Flávio Reis; SILVA, Adriana Maria. A importância da educação ambiental para graduandos da Universidade Estadual de Goiás: Campus Morrinhos. INTERAÇÕES, Campo Grande, MS, v. 18, n. 2, p. 71-85, abr./jun. 2017.

VIEIRA, Ima Célia Guimarães. Abordagens e desafios no uso de indicadores de sustentabilidade no contexto amazônico. Cienc. Cult. vol.71 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2019

SAKAMOTO, Camila Strobl; NASCIMENTO, Carlos Alves; MAIA, Alexandre Gori. As Famílias Pluriativas e Não Agrícolas no Rural Brasileiro: condicionantes e diferenciais de renda. RESR, Piracicaba-SP, Vol. 54, Nº 03, p. 561-582, Jul/Set 2016 – Impressa em Setembro de 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/resr/v54n3/1806-9479-resr-54-03-00561.pdf.

Como Citar
Moura, J. da R., & Gonçalves, M. S. (2020). Educação e Sustentabilidade: um estudo sobre as representações sociais nos dizeres de assentados do MST, em Viamão-RS. Cadernos De Estudos Sociais, 35(1). Recuperado de https://fundaj.emnuvens.com.br/CAD/article/view/1824