A INSERÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO DA GEOGRAFIA A PARTIR DO RECONHECIMENTO DOS SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS PRESTADOS POR ABELHAS NATIVAS

Marcone Severino do Nascimento, Solange Fernandes Soares Coutinho

Resumo


A INSERÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO DA GEOGRAFIA A PARTIR DO RECONHECIMENTO DOS SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS PRESTADOS POR ABELHAS NATIVAS

 

 

RESUMO

O presente artigo tem como objetivo avaliar a possibilidade de inserção da Educação Ambiental como tema transversal no Ensino da Geografia com a utilização de conhecimentos relativos às abelhas nativas, demonstrando a relevância delas nos seus habitats através dos serviços ecossistêmicos que prestam e com isso o papel que têm na manutenção da vida no Planeta, sensibilizando, não só os alunos em sala de aula, mas toda comunidade escolar e a partir deles para além dos muros da escola. Para tanto, foram apresentadas algumas das principais causas do desaparecimento de um dos principais agentes polinizadores e as consequências que podem ocorrer com a extinção desses insetos, como o declínio da produção de alimento e a perda da biodiversidade, desta derivando-se relevantes desequilíbrios nas teias alimentares. A pesquisa inclui uma intervenção nas aulas de geografia na escola, campo do estudo, que possibilitou a análise comparativa do desenvolvimento e do nível de interesse dos alunos por atividades contextualizadas.

Palavras chave: Ensino de Geografia. Educação Ambiental. Abelhas Nativas. Serviços Ecossistêmicos.

 

THE ENVIRONMENTAL EDUCATION INSERTION IN GEOGRAPHY TEACHING, THROUGH THE RECOGNITION OF THE ECOSYSTEM SERVICES PROVIDED BY NATIVE BEES

 

ABSTRACT

The aim of this paper is to evaluate the possibility of inserting Environmental Education as a cross-cutting topic in Geography Teaching using the knowledge related to brazilian native bees, demonstrating their relevance in their habitats through the ecosystem services they provide, and thus, the role they play in the maintenance of life on the Planet, raising sensitizing not only classroom students, but the whole school community and consequently, going beyond school's walls. In order to do so, it has been showed some main causes of pollinating agents' disappearance and the consequences that may occur due to the extinction of these insects, such as decline of food production and loss of biodiversity, resulting in significant imbalances in the food chain. The research includes an intervention in school's geography classes, research field that made possible the comparative analysis of students' development and level of interest in contextualized activities.

Keywords: Geography Teaching. Environmental Education. Brazilian Native Bees. Ecosystemics Services.

 

LA INSERCIÓN DE LA EDUCACIÓN AMBIENTAL EN LA ENSEÑANZA DE GEOGRAFÍA A PARTIR DEL RECONOCIMIENTO DE LOS SERVICIOS ECOSISTÉMICOS PRESTADOS POR ABEHAS NATIVAS

 

RESUMEN

El objetivo de este artículo es evaluar la posibilidad de insertar la Educación Ambiental como un tema transversal en la Enseñanza de la Geografía, utilizando el conocimiento relacionado con las abejas nativas brasileñas, demostrando su relevancia en sus hábitats a través de los servicios ecosistémicos que prestan y con ello el papel que tienen en el mantenimiento de la vida en el Planeta, creando conciencia, no solo de los estudiantes en el aula, sino de toda la comunidad escolar y a partir de ellos más allá de las paredes de la escuela. se presentaron algunas de las principales causas de la desaparición de uno de los principales agentes polinizadores y las consecuencias que pueden ocurrir con la extinción de esos insectos, como el declive de la producción de alimentos y la pérdida de biodiversidad, lo que resulta en desequilibrios significativos en la cadena alimenticia. La investigación incluye una intervención en las clases de geografía en la escuela, el campo del estudio, que posibilitó el análisis comparativo del desarrollo de los estudiantes y del nivel de interés en las actividades contextualizadas.

Palabras Clave: Enseñanza de Geografía. Educación Ambiental. Abejas Nativas Brasileñas. Servicios Ecosistémicos.


Palavras-chave


Ensino de Geografia, Educação Ambiental, Abelhas Nativas, Serviços Ecossistêmicos.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

BRASIL, Presidência da República. Lei 4.281 de 25 de junho de 2002 que regulamenta a Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília: Presidência da República, 2002.

______. Lei No 9.795 que instituiu a Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília, DF: DOU, 1999.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. A implantação da educação ambiental no Brasil: meio ambiente e saúde. Brasília: MEC/SEF, 1997.

______. Parâmetros curriculares nacionais: geografia (PCN’s). Brasília: MEC/SEF, 1998.

CARVALHO-ZILSE, Gislene Almeida; SILVA, Carlos Gustavo Nunes; ZILSE, Nelson; BOAS, Hélio Conceição Vilas; SILVA, Alexandre Coletto; LARAY, Jonilson Paulo; FREIRE, Delci Costa Brito; KERR, Warwick Estevam. Criação de abelhas sem ferrão. Manaus: Provazea/Ibama, 2005.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. 6. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

FREITAS, Breno Magalhães; SILVA, Cláudia Inês. O papel dos polinizadores na produção agrícola no Brasil. In: A.B.E.L.H.A (Org.). Agricultura e polinizadores. São Paulo: Associação Brasileira de Estudo das Abelhas, 2015, p.9-18.

GAZZONI, Decio Luiz. Impacto da Agricultura sobre a População e a Diversidade de Polinizadores, e formas de mitigação de seus efeitos. In: A.B.E.L.H.A (Org.). Agricultura e polinizadores. São Paulo: Associação Brasileira de Estudo das Abelhas, 2015, p.54-70.

GIANNINI, Tereza Cristina. O Valor Econômico do Serviço de Polinização em alguns Cultivos Brasileiros. In: A.B.E.L.H.A (Org.). Agricultura e polinizadores. São Paulo: Associação Brasileira de Estudo das Abelhas, 2015, p.44-53.

GUIMARAES, Mauro. A dimensão ambiental na educação. 10. ed. Campinas, SP: Papirus, 2010.

KERR, Warwick Estevam; CARVALHO, Gislene Almeida; NASCIMENTO, Vânia Alves. Abelhas uruçu: biologia, manejo e conservação. Belo Horizonte: Fundação Acangaú, 1996.

NOGUEIRA-NETO, Paulo. Vida e criação de abelha sem ferrão. São Paulo: Nogueirapis, 1997.

ONU BRASIL. Agenda 2030. Brasília: PNUD, 2015. Disponível em: http://www.agenda2030.org.br/. Acesso em: 6/10/2017.

FREIRE, Paulo. ________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 39. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

PIAGET, J. A Epistemologia genética. São Paulo: Abril, 1978. (Coleção dos Pensadores)

SILVA, Cláudia Inês; PACHECO FILHO, Alípio José de Souza Pacheco; FREITAS, Breno Magalhães. Polinizadores Manejados no Brasil e sua disponibilidade para a Agricultura. In: A.B.E.L.H.A (Org.). Agricultura e polinizadores. São Paulo: Associação Brasileira de Estudo das Abelhas, 2015, p.19-31.

TAGLIEBER, José Erno. Reflexões sobre a Formação Docente e a Educação Ambiental. In: ZAKRZEVSKI, Sônia Balvedi; BARCELOS, Valdo (orgs.) Educação ambiental e compromisso social: pensamentos e ações. Erechim, RS: EdiFAPES, 2004.

VESENTINI, José William. Repensando a geografia escolar para o século XXI. São Paulo: Plêiade, 2009.

VILLAS-BÔAS, Jerônimo. Mel de abelhas sem ferrão. Brasília, DF: Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN), 2012.




DOI: https://doi.org/10.33148/CES2595-4091v.34n.220191794

Apontamentos





Direitos autorais 2019 Autor, concedendo à revista o direito de primeira publicação

ISSN:2595-4091

 

Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Atribuição (BY): Os licenciados têm o direito de copiar, distribuir, exibir e executar a obra e fazer trabalhos derivados dela, conquanto que deem créditos devidos ao autor ou licenciador, na maneira especificada por estes.