DO HORIZONTE ORGÂNICO AO HORIZONTE C: POR UMA ONTOLOGIA NA AGROECOPEDAGOGIA

OSCAR EMERSON ZÚÑIGA MOSQUERA

Resumo


Autodefinida como discurso emancipador que contribuiria na resolução dos problemas socioambientais causados pelo modelo de desenvolvimento capitalista, a agroecologia emergiu na América Latina pelas mãos de uma nova episteme ecológica e um forte vínculo às pedagogias emancipatórias e libertárias. Não obstante, quando se analisa a agroecologia e a formação de agroecólogos, outras questões precisam ser levantadas à luz de uma arqueogenealogia; por exemplo, desde a filosofia da educação as práticas repassadas pela agroecopedagogia transcendem tanto as técnicas agropecuárias como as didáticas pedagógicas. Entendemos as práticas pedagógicas da agroecopedagogia como um solo cujo pedon é formado de camadas que vão, para falar como a pedologia, da camada mais superficial e mais importante para a agricultura, a camada O, até a camada que substancializadora, isto é, a camada C nas formações discursivas. Deste modo, a pesquisa problematiza as práticas agroecopedagógicas no contexto da ecogovernamentalidade e destaca a ontológica política como uma dimensão a ser explorada pelo movimento agroecológico.


Palavras-chave


Agroecologia. Deleuze. Ecogovernamentalidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, N. Historia de la filosofía. v 1. Barcelona: Hora, 1994.

DELEUZE, G. A dobra. Leibniz e o barroco. Campinas: Papirus, 1991.

-------------------. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, v. 3. São Paulo: Editora 34, 1996.

FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos.Estratégia, poder-saber. MOTTA, Manoel Barros da (Org.). Tradução de Vera Lúcia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. v. 4.

GODDARD, J-C. Metafísicas Caníbales. Viveiros de Castro, Deleuze y Spinoza. Cuadernos de Filosofía latinoamericana. v, 37, n. 114, 2016. p. 205-211.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação. & Realidade, Porto Alegre, v. 22, nº 2, p. 15-46, 1997, jul./dez.

LEFF, E. Saber Ambiental: Sustentabilidade, Racionalidade, Complexidade, Poder. 6. ed.

Petrópolis: Vozes, 2001.

RODRIGUES, T. Canto da criação e da redenção: uma investigação acerca da natureza e do tempo com ênfase em Heidegger e Deleuze. Rio de Janeiro: Livre Expressão, 2013.

SMITH, A. P. Believing in this World for the Making of Gods: Ecology of the Virtual and the Actual. SubStance, v. 39, n. 1, p. 103-114, 2010.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Metafísicas caníbales. Líneas de antropología estructural. Madrid: Katz editores, 2010.

Autor. 2018.

Autor, 2015




DOI: https://doi.org/10.33148/CES2595-4091v.34n.220191784

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Autor, concedendo à revista o direito de primeira publicação

ISSN:2595-4091

 

Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Atribuição (BY): Os licenciados têm o direito de copiar, distribuir, exibir e executar a obra e fazer trabalhos derivados dela, conquanto que deem créditos devidos ao autor ou licenciador, na maneira especificada por estes.